Não sou a mesma...

O tempo passa, infelizmente é uma verdade. Ele passa mas algumas pessoas não saem do mesmo sítio.
Olho para aquela criança que um dia fui, cujas preocupações eram poucas ou nenhumas. Preocupações do tipo “ Qual a barbie que devo escolher para o natal? “ ou “Será que o “x” gosta de mim?”. Preocupações que não eram preocupações.
Lembro-me dos sorrisos travessos quando sabia que tinha aprontado alguma ou do olhar tímido que dava quando alguém me cumprimentava. Lembro-me de ir crescendo e com isso fiz coisas que não devia ter feito, coisas sem sentido, coisas que o tempo acabaria por apagar. Mas fiz muitas outras que ainda hoje me orgulho.
Recordo-me de passar a vida a correr sem saber que quem corria mais era ela.
O tempo voou e eu mudei. Geralmente é algo que acontece a todas as pessoas. As pessoas mudam, seja para o bem ou para o mal, mas nunca somos os mesmos que eramos há tempos atrás.
Vejo isso quando olho para o início e fim de um ano. Tanta coisa que mudou, tanto que eu mudei.
É difícil sabes? Olhar para ti e ver ainda ódio nos teus olhos, de saber que falas mal de mim nas minhas costas. Não é bonito. Não é bonito falares assim daquela que um dia foi uma grande amiga tua. Por tanta coisa que tivesse acontecido, para além de sermos crianças que não pensávamos nas consequências dos nossos atos, passámos bons momentos.
Saber que ainda há pessoas que pensam que sou a mesma traz em mim um sentimento que nem consigo explicar. Um misto de confusão, incredulidade e… pena.
É como se o tempo me tivesse congelado. Pessoas que ainda hoje guardam rancor por coisas mínimas. É difícil entender. Como alguém depois de tanto tempo acha que eu não mudei, que não cresci? Alguém que não viu as minhas vitórias, as minhas derrotas, os meus sorrisos, lágrimas, contratempos e objetivos. Alguém que se foi embora da minha vida, que simplesmente saiu sem deixar recado.
Chego à conclusão que a pessoa achou que parei no tempo mas na realidade quem parou foi ela.
Todos os meus erros viraram lições. Hoje eu faço o que faço, penso como penso porque vivi tudo da forma certa. Por entre caminhos tortos, eu endireitei partes da minha vida.
A vida é tão curta, que tenho pena que essas pessoas a passem sempre cheias de rancor.
Daqui a uns meses posso mudar, e sei que o farei. É algo inevitável. Moldamo-nos consoante as circunstancias.
Acredita quando falo que não sou a mesma… e não esperes que o seja.


CONVERSATION

3 comentários:

  1. Adoro os teus textos!
    https://dailyvlife.blogspot.pt/
    :)

    ResponderEliminar
  2. R: A Nora Roberts também é a minha autora favorita! Adoro, adoro, adoro a escrita dela! É tão envolvente e realista. Tenho muitos livros favoritos dela mas tenho que destacar a trilogia Herança (Herança de Fogo, Herança de Gelo e Herança de Vergonha), trilogia Sonho (Um Sonho de Amor, Um Sonho de Vida e um Sonho de Esperança), Trilogia da Gratidão (é sobre os irmãos Quinn, cada livro conta a história de um irmão, lembro-me de Marés Altas e de Porto de Abrigo, os outros dois não me recordo). Também adorei a série do Quarteto de Noivas. Ah, e a Trilogia do Coração em que o meu favorito foi o segundo volume, Lágrimas da Lua.

    E quais são os teus favoritos?

    ResponderEliminar

Seguidores