Coração x Razão

Não sei o que grita mais alto. Se o coração que bate num ritmo frenético ou a cabeça que não para na confusão dos pensamentos.
Não sei a qual dos dois dar ouvidos. Coração ou razão. São opostos que colidem tanto que ambos me deixam num estado de agonia.
Coração, és simples e puro. És o amigo despreocupado que só quer aproveitar a vida. Tens em ti “ todos os sonhos do mundo “. Queres fazer tudo e mais alguma coisa. Arriscas sem olhar o abismo que se estende por debaixo de ti. Sonhas alto e mais alto queres chegar.
Sinto o sangue a correr-me nas veias. O mesmo que te faz bombear e dar um impulso. És impulso que se sente nas terminações nervosas de cada um de nós. És quem nos faz avançar.
Contudo és tão frágil quanto a porcelana e tão sensível quanto uma flor. Quando te magoam, a queda é dura. Quando te magoam… dói. Vejo as possibilidades esmagadas, os desejos cortados e ingenuidade destruída. Uma vez rasgado e maltratado nunca mais volta a ser o mesmo. És insensato e não pensas nas consequências.
Admiro em ti a liberdade que me permites dar e a felicidade momentânea a que me dás o prazer, mas odeio-te por seres tão cego que não vês os males em que tropeças.
Razão, encontras-te na minha cabeça. És como um despertador numa manha de segunda-feira. Chata, impertinente, mas preciso de ti mais do que nunca. Serves para me acordares para a vida. Quando o coração sofre, és a única que me dás a força para seguir.
Portanto razão, és aquele amigo teimoso, que está constantemente a pôr-me em alerta, mas que no fundo é só a tua máscara para esconder a preocupação que se faz sentir na mistura de sentimentos.
Dás-me a sanidade que preciso como uma espécie de antidoto que não me deixa cometer loucuras.
Odeio-te pelo facto de seguires sempre a lógica e muitas da vezes estar errada. Odeio-te por me privares de viver.
Percorro com o olhar nostálgico as oportunidades que escaparam por entre os dedos como a água, porque me depositaste o medo de falhar, o medo de não ser suficiente.
Não vivo e não sinto, sem o coração ou a razão em mim. Fazem-me falta ambos. Faz-me falta o coração menino que brinca na rua. Faz-me falta a mente adulta que é responsável. Fazem-me única e simplesmente humana.
A verdade é só uma. Sou coração mole e cabeça dura.
Afinal de contas, o coração tem a razão, quando a razão tem o coração.


CONVERSATION

2 comentários:

  1. fantastico ������ adorei

    ResponderEliminar
  2. Adorei! Como se costuma dizer, nem tanto ao mar, nem tanto à terra. O ideal era mesmo conseguirmos estabelecer um equilíbrio constante entre a razão e o coração, mas nem sempre é fácil.

    ResponderEliminar

Seguidores